2. O mercado de trabalho

[vsw id=”jCRNX6uc9Do” source=”youtube” width=”425″ height=”344″ autoplay=”yes”]

A modernidade trouxe o desaparecimento de muitos preconceitos, mas ainda não apaga a maior preocupação do indivíduo ao lidar com a escolha de fazer uma tatuagem: o futuro na profissão. Com sede em Curitiba, São José dos Pinhais, Araucária e Joinville, a RH Center é uma empresa de gestão de pessoas. Ela é responsável pela seleção e contratação de empregados para empresas que solicitam seus serviços. “Às vezes o candidato se encaixa no perfil da vaga e tem uma tatuagem que não se nota. Já se a tatuagem é em lugar aparente, a gente coloca como observação para a empresa”, conta Silvia Ribeiro, psicóloga e consultora do centro. “Já aconteceu no momento final da decisão da empresa o candidato ser desclassificado por tatuagem”, revela. Mas Silvia enfatiza, no entanto, que é um fator muito variável, uma questão que muda muito de empresa para empresa.

Carla Julião, também orientadora do RH Center, conta que o fator tatuagem normalmente é mais pontuado quando se tratam de vagas que lidariam com um público maduro ou de terceira idade. “Eles querem alguém que tenha uma aparência que não seja muito incomum a aquelas pessoas para não gerar divergência”, explica. A psicóloga e consultora relata que entre cinco, dez anos atrás a visão dos empregadores para essas pessoas era muito diferente. Visto que o grande público jovem tatuado de hoje será presente no mercado de trabalho pelas próximas décadas, a tatuagem poderá ser vista com olhos mais liberais ainda. “Mas também não tem como afirmar que será muito mais fácil entrar no mercado de trabalho, porque todos esses fatores são muito relativos para se prever”, diz.

César Castro, engenheiro eletricista e técnico em eletrônica e telecomunicações , já realizou entrevistas para contratações de estagiários técnicos em nível médio. O engenheiro afirma que normalmente não empregava candidatos com tatuagens aparentes. “Se fosse um fator de desempate em caso de currículos ou notas iguais, a opção seria pelo não tatuado”, diz. Na opinião de Castro, apesar de não ser regra o tatuado de hoje ter ligação direta com atividades criminosas, eles ainda representam uma minoria com gostos diferentes. “A presença de tatuagens choca aqueles que não estão acostumados com essa aparência, e pode não transmitir a confiança”, conta o técnico. Essa linha de pensamento mais conservadora ainda tem peso no mercado, mas não é absoluta.

1. Introdução

3. A tatuagem como estratégia de marketing nas grandes corporações

4. A inserção do tatuado em carreiras tradicionais

5. Conheça a vida de Kevan Gillies, empresário que virou seu próprio chefe e não precisa mais cobrir suas tatuagens

6. O conceito e a escolha pessoal na hora de se tatuar

Fechado para comentários.