5. Conheça Kevan Gillies

Dos 50 anos de vida do empresário nascido em Bolton, Inglaterra, Kevan Gillies, os últimos 32 foram escritos com tinta e agulha.  O empresário, que reside no Brasil desde 1977, explica que quando fez sua primeira tatuagem aos 18, as tradicionais máquinas elétricas ainda não eram acessíveis. O desenho, uma cobra enrolada em uma adaga, foi feito à mão utilizando apenas nanquim, uma agulha e barbante. O trabalho foi realizado na sala do apartamento que Kevan morava na época. O gosto pela arte já estava presente desde cedo. “Eu sempre quis ter tatuagens, sempre gostei por ser roqueiro”, conta.

No meio de tantas tatuagens, muitas acabam passando batidas, apenas artes corporais propriamente ditas. Ao mesmo tempo em que, para o tatuado outras tantas são repletas de significado.  “Tenho uma com o logo da minha própria empresa, tenho dois samurais em combate em minhas costas representando a luta do bem contra o mal. O que eu tenho nos braços são basicamente coberturas, mas o dragão significa a busca de sabedoria, as carpas significam a busca da perfeição e os demônios japoneses que espantam o mal. E de significado pessoal eu tenho uma rosa com o nome da minha família: minha esposa e três filhos”, conta.

Gillies se libertou da necessidade de cobrir suas tatuagens para trabalhar com uma solução simples: virou seu próprio chefe. Quando exercia função de gerente em uma empresa, há 20 anos, sempre trabalhava com todas as tatuagens cobertas. “Ninguém me falava nada, mas era bom senso, o meio em que eu estava não condizia”, conta. O britânico pensa nunca ter sofrido preconceito exclusivamente por suas tatuagens, mas afirma que muitas pessoas estranham pelo conjunto completo.

De qualquer forma, o estranhamento não fez com que Kevan parasse de se rabiscar. Já cobriu desenhos antigos, segundo ele, simplesmente por ter enjoado. “Tatuagem faz parte do meu estilo de vida como pessoa, é meu jeito, combina comigo e com minha personalidade”.

 

1. Introdução

2. O tatuado no mercado de trabalho

3. A tatuagem como estratégia de marketing nas grandes corporações

4. A inserção do tatuado em carreiras tradicionais

6. O conceito e a escolha pessoal na hora de se tatuar

Fechado para comentários.