6. Conceito e escolha pessoal
Renan Pamplona é médico e tatuado

Renan Pamplona é médico e tatuado

É justificado o estopim repentino da tatuagem nos últimos anos como sinal de modismo. O desaparecimento rápido e gradual do preconceito nos meios sociais e profissionais é encorajador, mas antes de decidir carregar uma marca para toda a vida – mesmo que de sua escolha – é necessária boa apuração de seus prós e contras.

O conceito da tatuagem, antes solidamente criminoso e negativo foi carregado erroneamente através de muitos anos. Tatuagem não tem a ver com competência profissional ou caráter: é aceitação social. É admitir a escolha de alguém em ter arte em seu próprio corpo.  “Ainda há muito preconceito em relação ao assunto. Associa-se o tatuado ao usuário de drogas, a indivíduos contestadores”, diz o sociólogo e antropólogo Sérgio Vicentin. Vicentin acredita que embora certas carreiras profissionais nunca expressarão mudança o suficiente em seus tradicionalismos para uma aceitação completa do tatuado, a popularização da tatuagem será contínua em muitos campos. Por fim, atenta: “O modismo é sazonal, mas o fenômeno jamais desaparecerá”.

 

1. Introdução

2. O tatuado no mercado de trabalho

3. A tatuagem como estratégia de marketing nas grandes corporações

4. A inserção do tatuado em carreiras tradicionais

5. Conheça a vida de Kevan Gillies, empresário que virou seu próprio chefe e não precisa mais cobrir suas tatuagens

Fechado para comentários.