Alta produção cultural em Curitiba

Com crescimento acelerado e recursos cada vez mais presentes, a produção teatral curitibana já é, em números absolutos, a terceira maior do Brasil. No entanto, produtores curitibanos sentem falta do apoio do público e dos patrocinadores

Manuella Niclewicz e Lara Pessôa

Musicais e produções nacionais do eixo Rio-São Paulo estão cada vez mais presentes na agenda cultural de Curitiba e têm público garantido em teatros como o Grande auditório Positivo ou o Teatro Guaíra. Inclusive, muitas peças têm estreia nacional em Curitiba devido à fama de um público muito crítico.

As produções curitibanas, no entanto, enfrentam ainda um grande desafio quando a questão é atrair o público. “Falta interesse do público e interesse do patrocinador”, diz Hany Lissa Morgenstern, produtora teatral curitibana da Academia de Artes Cênicas Cena Hum. Segundo ela, as empresas não estão acostumadas a patrocinar a cultura em nossa cidade e, por isso, muitas produções acabam perdendo público. Isso acontece pelo fato de as produções não apresentarem a mesma estrutura de uma peça nacional ou de um musical da Broadway, se não possuírem um bom patrocinador.

guairinha

Ambiente interno do Teatro Guairinha, palco de diversas representações culturais. Foto: Divulgação / Teatro Guaíra

Hanny afirma que a aceitação de produções curitibanas tanto no Rio de Janeiro quanto em São Paulo é enorme. Curitiba é famosa por ser um pólo de excelentes atores e já se tornou o terceiro maior centro de produção teatral do Brasil. “O triste é que o público curitibano vai em peso ver o que vem de fora e não assiste ao que é daqui. Muitas vezes somos mais valorizados fora de nossa própria cidade!”, ressaltou a produtora. Embora acredite que a fidelização do Festival de Teatro tenha aumentado assim como a população curitibana, ela pensa que ainda há muito a ser feito para que mais pessoas possam prestigiar as produções.

Desde sua primeira edição, o Festival de Teatro de Curitiba, por exemplo, atrai mais espectadores e reforça o hábito tanto de consumo quanto da produção artística curitibana ano a ano. O Festival é o principal responsável pelo crescimento da atenção do público paranaense para esse tipo de manifestação artística. Em números absolutos, o público foi de 25 mil pessoas em 1992 para 225 mil em 2013. O número de espetáculos também evoluiu de 14 para 417.

No ramo do teatro há dez anos, Simone Hidalgo, diretora e professora, afirma que já é possível ver uma mudança na valorização artística de Curitiba desde o início do Festival. No entanto, assim como Hanny, ela também acredita que o público pode ser mais participativo e valorizar mais as produções locais. “O público de Curitiba vai ao teatro durante essa época e acha que já está bom, uma vez por ano. Eles têm que entender que a produção ocorre durante o ano todo”.

Quanto ao crescimento e ampliação da programação cultural, Leandro Knopfholz, diretor do Festival de Teatro de Curitiba, afirma que algumas salas criadas ou recuperadas pelo festival continuam recebendo atrações durante o ano todo. Ainda na opinião do diretor, o intercâmbio entre artistas de diversos lugares proposto na época do evento, proporcionou um ambiente criativo em nossa cidade e trouxe mais foco para a cultura.

Segundo o diretor, uma possível solução para motivar e levar o público curitibano a se envolver cada vez mais nesse meio artístico durante todo o ano seria investir na comunicação e nas ferramentas de venda. Devido a sua experiência com o Festival, ele pensa que tratar o público como consumidor é fundamental. “O curitibano se informa e está disposto a conhecer novidades, basta oferecer boas experiências e serviço de qualidade!”, completa.

O Festival de Teatro de Curitiba, que teve em 2013 sua 22ª edição, foi novamente um sucesso, e no próximo ano, pretende contar também com mais atrações internacionais. O evento, que já se consolidou no calendário da capital paranaense e fidelizou o seu público, já tem data marcada para 2014: 25 de março a 6 de abril.

 

 Equipe: Gabriela Fialho, Gabriela Kuzma, Lara Pessôa, Manuella Niclewicz

Fechado para comentários.