Bernardo Pilotto, candidato do PSOL ao governo do Paraná
“Beto Richa tem anos de experiência e deixou faltar combustível em ambulância”, afirma Bernardo Pilotto

O candidato do PSOL apresentou suas propostas em mais um dia de sabatina na Rede Mercosul – Record News Paraná

Por Matheus Urbano

Mais um dia de sabatina se inicia nos estúdios da Rede Mercosul – Record News Paraná, em Curitiba. O candidato da vez foi Bernardo Pilotto, postulante ao governo do estado do Paraná pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

Bernardo Pilotto, candidato do PSOL ao governo do Paraná

Bernardo Pilotto, candidato do PSOL ao governo do Paraná

Com um partido de ideologia diferente dos demais apresentados até agora, o político reafirmou que o importante não é vencer, mas sim levantar bandeiras. “Nossa campanha tem várias prioridades. Nossa campanha é de plantar sementes porque o PSOL ganhando ou não vai continuar reivindicando as bandeiras levantadas nos próximos meses, nos próximos anos”, afirmou.

Pilotto, que recentemente completou trinta anos (idade mínima para se candidatar ao cargo, de acordo com a constituição), se defendeu dos comentários de que seria inexperiente para o cargo. “O Beto Richa tem anos de experiência e deixou faltar combustível em ambulância”, disse. “Eu sou o único candidato especialista em saúde nessas eleições”.

No entanto, quanto às acusações de financiar os black blocks, o candidato foi categórico ao afirmar que a acusação não só é “uma piada de mau gosto” como que as manifestações são um ganho. “O PSOL entende que a forma correta de participar das manifestações é de uma forma coletiva e organizada. Entendemos que uma ação de pessoas que vão lá pra quebrar vidraça é fruto de um afastamento de todas as organizações coletivas dessa juventude que tem ido as ruas”.

Quando a questão abordada foi a privatização da saúde, usando como exemplo o Hospital das Clinicas, foi mais uma enxurrada de criticas à antiga gestão. “Não tem dinheiro pra renovar o contrato do seguro, aí posterga, posterga e quando estoura a bomba aí é vamos arranjar dinheiro. Sabe pra que serve a privatização do Hospital de Clinicas? Para facilitar a compra de serviços na iniciativa privada.”

Por fim, o candidato falou de um dos seus temas mais polêmicos até então: a desmilitarização das polícias. O candidato afirma que vai haver uma transição para que o cidadão não se torne inimigo da polícia. “Primeiro: mudar o secretario de segurança, todos os secretários de segurança foram ou promotores ou policiais. A desmilitarização é mudar o código de ética dos policiais, haverá uma transição. O que são essas medidas desmilitarizantes? Carreira única pra diminuir hierarquia e opressão dentro dos quarteis, jornada de trabalho regulamentada, rever o regime disciplinar do exército então são essas medidas”, finalizou.

Fechado para comentários.