BM_2208_0018[1]
Curitiba: debate na Band reúne todos os candidatos à Prefeitura

Atual prefeito e oito adversários se confrontaram em perguntas e respostas

por Luiz Mourão

A TV Band realizou, nesta segunda-feira (22), o primeiro debate entre candidatos à Prefeitura de Curitiba. Afonso Rangel (PRP), Professor Ademar (Pros), Gustavo Fruet (PDT), Maria Victória (PP), Ney Leprevost (PSD), Rafael Greca (PMN), Requião Filho (PMDB), Tadeu Veneri (PT) e Xênia Mello (PSOL) revezaram-se em perguntas e respostas que versaram sobre as típicas questões sociais que geram promessas à população a cada dois anos.

O programa se iniciou de modo que as temáticas pertinentes pareciam ser o maior foco dos participantes e gerariam discussões esclarecedoras. O que se viu, todavia, após a pergunta de Ney Leprevost, que questionou Gustavo Fruet sobre a dívida pública, foram mais promessas e promoção pessoal do que retórica e argumentação. Maria Victória fez, ainda na etapa inicial, um referência a uma possível reintegração da rede de transporte coletivo da cidade.

De acordo com o atual prefeito, mesmo com o PIB nacional em queda, sua gestão foi capaz de superar o que chamou de “maior déficit fiscal da história de Curitiba, deixado por Luciano Ducci”, nos mandatos precedentes. Fruet aproveitou para pontuar o apoio do ex-prefeito (Ducci) e também do atual governador, Beto Richa (PSDB), a Rafael Greca, que já foi um crítico ferrenho do governo de ambos.

A pergunta seguinte, feita pelo candidato a reeleição à Maria Victoria, gerou diversas discussões posteriores e controvérsias nas informações. A resposta sobre as propostas na área de educação vieram em forma de ataque: segundo a candidata do PP, a parcela de 30% do orçamento destinados à educação não são suficientes, já que, acrescenta, a legislação exige um mínimo de 32%. O número também foi contestado posteriormente pelo candidato do PT, Tadeu Veneri.

Fruet respondeu dizendo que a educação é prioridade em seu mandato e que Curitiba foi a primeira capital a cumprir a lei que obriga que todas as crianças acima de quatro anos estejam matriculadas na escola.

O candidato Rafael Greca, do Partido da Mobilização Nacional (PMN), fez questão de reafirmar seus feitos como prefeito. Exaltou sua atuação na educação exemplificando repetidas vezes os Faróis do Saber, um dos legados de sua gestão. Ele também prometeu, caso seja eleito, construir em todas as escolas municipais ao menos uma sala destinada a crianças com menos de quatro anos. Greca, que foi questionado por Xênia e Leprevost sobre acusações de improbidade, afirmou ter sofrido perseguição devido à sua atenção aos menos favorecidos.

 

Acusações sobre Operação Lava Jato geram direito de resposta em massa

Após uma acusação de que todos os candidatos tinham vínculos com as denúncias feitas pela Operação Lava Jato, além de manter parentes na política, proferida pela candidata do PSOL, Xênia Mello, todos os participantes – com exceção de Requião Filho, do PMDB – responderam declarando apoio à operação e refutando a posição de apadrinhamento político.

Tadeu Veneri disse que a acusação foi genérica e descontextualizada. “As pessoas que cometem erros estão sendo responsabilizadas, independente do partido. A política não pode ser um vale-tudo”. Veneri concluiu colocando a operação como seletiva em algumas ocasiões.

 

Requião Filho se refere ao episódio de 29 de abril de 2015 como “massacre”

O candidato do PMDB, filho do senador Roberto Requião, fez duras críticas ao tratamento do atual governo do estado com relação à educação. Requião relembrou a Operação Quadro-Negro. “Pessoas diretamenente ligadas ao palácio Iguaçu estão envolvidas nisso”. Ele disse estranhar que Greca, que abriu os portões para os professores se protegerem no dia, aceite hoje o apoio do governador.

 

Maria Victória fala em aula de empreendedorismo 

Todo o debate foi marcado por desvios das perguntas, e o momento mais evidente dessa situação foi quando Xênia Mello levantou uma das questões que baseiam sua plataforma de campanha. A representante da Frente de Esquerda perguntou à Maria Victória sobre sua posição com relação aos casos de violência à comunidade LGBT.

Maria Victória disse respeitar a todos, independente da “opção” sexual, mas finalizou dizendo que “é importante incentivar aulas de empreendedorismo e programação nas escolas municipais e o wimax, como já foi dito aqui e que colocaria Curitiba a frente das inovações e tecnologias”. Xênia se referiu na réplica à candidata do PP como a candidata que andou de camburão.

 

Debate repercute em redes sociais

O debate também gerou muita movimentação nas redes sociais, confira alguns tweets:

 

BM_2208_0028[1] BM_2208_0016[1] BM_2208_0012[1] BM_2208_0013[1] BM_2208_0007[1] BM_2208_0003[1]

 

Fechado para comentários.