Os cachorros que estão para adoção andam com bexiga de gás hélio para a identificação.
Foto: Renata Martins
Mapa mostra onde há feiras para adotar animais

Veja onde são realizados 14 eventos para doação de pets na cidade.

Por Renata Martins

Você já pensou em adotar um animal de estimação? Curitiba tem diversas feiras que promovem a doações de bichos de estimação. Confira abaixo, no mapa preparado pelo Portal Comunicare, a relação dos principais eventos do gênero realizados em Curitiba.

Entre os eventos com esse propósito está o “Deixe um cachorro te levar para passear”, criado pelo Grupo Força animal e que ocorre uma vez por mês no Museu Oscar Niemeyer. Os 20 cachorros  que participam do evento, todos em processo de reabilitação após sofrerem maus tratos, esperam um passeador – pessoa que esteja disponível para brincar com o pet e, caso se interesse, para adotá-lo.

O grupo, formado apenas por voluntários, resgata animais de rua que estão em péssimas situações e correndo risco de vida. Há 160 animais sob o cuidado da entidade, 20 dos quais estão internados em clínicas parceiras, em estado grave. Presidente do Grupo e pedagoga, Daniele Cristina Sávio ressalta que é o evento para que as pessoas deem carinho a esses bichos, gastem a energia deles e, eventualmente, levem-lhes definitivamente para casa.

A adoção requer uma ficha com informações do adotante e um contrato legal com todos os termos da lei. “Se for uma adoção e for uma adoção bem feita, a gente já cumpriu o que a gente está propondo”, relata Daniele.

Embora o benefício imediato da adoção seja dos próprios pets, os adotantes também saem ganhando. Um estudo publicado no American Journal of Cardiology afirma que os bichos ajudam a controlar estresse, diminuir pressão arterial e reduzir problemas cardiovasculares. Segundo o médico veterinário Maurício Barbieri, ter um bicho de estimação é como uma terapia e contribui para a melhora da autoestima das pessoas. “Os animais deviam fazer parte da vida de todas as pessoas”.

Os cachorros que estão para adoção andam com bexiga de gás hélio para a identificação. (Foto: Renata Martins)

Fechado para comentários.