destacada mapa do crime
O mapa do crime em apenas alguns cliques

Dados oficiais não retratam a realidade porque muitas vítimas não registram o boletim de ocorrência (B.O). Por isso, aplicativos e sites especializados auxiliam as autoridades no mapeamento do crime.

Por Gabriela Jahn, Jehnifer Kammer e Adriana Barquilha

Dados da Secretária de Segurança Pública (SESP) indicam que 53% dos crimes cometidos em Curitiba não são registrados como deveriam, com isso, os números oficiais não representam a realidade. Para o governo, alguns fatores podem influenciar na decisão de não registrar um crime: falta paciência na hora de fazer o Boletim de Ocorrência (B.O); medo de represálias por parte dos bandidos; demora no atendimento nas delegacias; burocracia e desinformação; ou simplesmente falta de credibilidade no trabalho da polícia. O efetivo policial, viaturas e operações policiais são distribuídos pela cidade com base no mapeamento da violência. O levantamento oficial está disponível no site da secretaria e é usado para a formação do banco de dados usados pelo geoprocessamento.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar, é muito importante que as pessoas registrem qualquer tipo de ocorrência fornecendo o maior número de informações possíveis. Muitas pessoas só procuram a polícia para registrar o B.O quando algo muito grave acontece, pois não acreditam que o assunto será solucionado. Larissa Leal Pereira, 23 anos, não fez o boletim de ocorrência quando teve o celular e documentos furtados durante uma festa em uma casa noturna de Curitiba. Ela tinha quase certeza que os pertences não seriam recuperados. “Eu não ia perder meu tempo indo registrar um B.O sendo que a polícia não vai fazer nada, muito menos devolver minhas coisas”, afirma.

A internet auxilia a mapear do crime

Para acelerar este processo e evitar filas desde 2011 o boletim de ocorrência pode ser feito online, mas somente em casos de furto ou perda de placa de veículo, documentos, objetos ou referências financeiras. Também é possível usar a internet para fazer denúncias anônimas.

Outras opções online que ajudam a mapear o crime são aplicativos como Onde Fui Roubado (site), WikiCrimes Mobile (android), e B.O coletivo (IOS). Onde fui Roubado, por exemplo, é divido por cidades e cada cidade possui estatísticas registradas pelas vítimas, como horários dos crimes, porcentagem de gênero das vítimas (homens ou mulheres), os dez bairros com mais ocorrências e dicas de segurança.

Fechado para comentários.