Gandulas tiveram que passar por dois dias de treino antes da Copa | Foto: Acervo Pessoal Yasmin Marcene de Souza
O trabalho voluntário na Copa do Mundo

Milhares de pessoas estão ajudando durante o período de jogos no Brasil

Por Pedro Melo

Um trabalho muito importante durante o período da Copa do Mundo, no Brasil, é a dos voluntários. Eles auxiliam em tudo que os torcedores necessitarem antes, durante e após as partidas, em vários pontos das 12 cidades-sedes.

Uma das formas de ser voluntário na Copa foi através do site da FIFA onde cerca de 150 mil pessoas se inscreveram e apenas 15 mil deles foram escolhidos. Os voluntariados têm garantia de alimentação, transporte na cidade sede e uniforme, mas o custo com hospedagem e viagem fica por conta do voluntário caso ele escolha colaborar em outra cidade.

Marcelo Luiz é voluntário da FIFA na parte de credenciamento na Arena Pernambuco, em Recife, e salienta que além da importância em seu currículo e treinamento de outras línguas como inglês e espanhol, tem a oportunidade de acompanhar todos os jogos na capital pernambucana.

Marcelo Luiz é voluntário na Arena Pernambuco | Foto: Acervo Pessoal Marcelo Luiz

Marcelo Luiz é voluntário na Arena Pernambuco | Foto: Acervo Pessoal Marcelo Luiz

O voluntário explica como funciona seu trabalho na arena de Recife. “Trabalho no setor do credenciamento e minha jornada de trabalho é apenas das 13h às 20h e dão cartão alimentação, cartão de passagem e além de todo o fardamento”.

Outro modo foi através do Brasil Voluntário, programa de voluntariado do Governo Federal, e o coordenador de área do aeroporto de Recife da Secretária Extraordinária da Copa do Mundo de Pernambuco (SECOPA-PE), Marcelo Ximenes, conta como foi a preparação dos voluntários para o período do Mundial.

“Teve toda uma preparação, treinamentos online pelo Brasil Voluntário, com a história do futebol, inglês e espanhol e sobre mega eventos com a Copa do Mundo. Também tivemos treinamentos presenciais e foram quatro finais de semana onde foram abordados os primeiros socorros, a questão da mobilidade que é muito importante”, explica Ximenes. “Eles tiveram também a preparação psicológica, educação física, história dos países que estão vindo jogar aqui no Brasil e a preparação foi bem legal”, complementa.

O horário de trabalho de quem faz o voluntariado no programa do Governo Federal é diferente em relação ao da FIFA. São quatro horas diárias e um vale alimentação de R$ 20,00 diários. Antes dos trabalhos começarem, cada um agendou os dias em que pretendem trabalhar. Além disso, o controle de frequência dos voluntários é feito através de um aplicativo desenvolvido pelo Ministério dos Esportes.

Gandulas

Gandulas tiveram que passar por dois dias de treino antes da Copa | Foto: Acervo Pessoal Yasmin Marcene de Souza

Gandulas tiveram que passar por dois dias de treino antes da Copa | Foto: Acervo Pessoal Yasmin Marcene de Souza

Quem também faz um trabalho voluntário durante a Copa são os gandulas. Yasmin Mercene de Souza, 14 anos, disputou um torneio da Coca-Cola, patrocinadora oficial da Copa do Mundo, e ao ganhar a competição conseguiu ser gandula em três partidas do Mundial: a abertura entre Brasil x Croácia e duas partidas em Curitiba, Honduras x Equador e Argélia x Rússia.

Yasmin comenta sobre a emoção de estar presente em um momento tão especial. “Muito emocionante porque é uma oportunidade única na vida de estar perto dos jogadores e de uma grande festa que vai ter no Brasil”.

Os treinamentos foram feitos em dois dias, com aula teórica no primeiro dia e prática no segundo. Existe um Padrão FIFA para os gandulas em que eles não podem chegar perto dos jogadores, nem falar com eles.

Fechado para comentários.