Palestra sobre mudanças na comunicação reúne 400 pessoas na PUCPR

“The Communication (R)evolution” mostra como a tecnologia transforma a área.

Por Jéssica Aline Cipolla Felici, Maria Cecília Terres Zelazowski e Vanessa Gavilan Mikos

Cerca de 400 pessoas acompanharam, no último dia 20, na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), a palestra sobre o “The Communication (R)evolution”, evento realizado no teatro da instituição (TUCA) para expor os resultados de uma pesquisa feita pela cineasta e diretora Flavia Moraes sobre as mudanças e o futuro do mercado de comunicação.

Organizada em parceria entre a universidade e o grupo Rede Brasil Sul (RBS), a palestra foi ministrada por Marco Boanova Valério, parceiro e coprodutor do projeto. Em aproximadamente 50 minutos, Boanova e Flavia – esta participando via vídeoconferência – apresentaram e explicaram as premissas identificadas no projeto, a partir das mudanças que vêm ocorrendo na comunicação.

Apesar de o público-alvo ser os universitários da área de comunicação, Valério defende que o conhecimento deve ser compartilhado em toda a sociedade. Já Flavia destacou que o objetivo do projeto não é impor verdades. “Esse material é apenas um indexador. O estudo não se resume apenas a 11 pequenos filmes; eles servem para organizar a grande riqueza do trabalho que são as horas e mais horas de entrevistas”.

O coordenador do curso de jornalismo, Julius Nunes, ressalta que o tema é importante e tem sido recorrente em sala de aula. ‘’Essa pesquisa comprova que precisamos pensar em profissionais que sejam multiplataforma e realizem multitarefas, adequando-se às novas exigências do mercado’’, defende.

Para o professor Cícero Rohr, que também é diretor de atendimento da Master Roma Waiteman, as questões abordadas estão presentes no cotidiano do profissional da comunicação. “Nessa análise, o conteúdo está organizado de forma didática. Hoje mesmo irei aplicar nas minhas aulas”, contou. A estudante Jessica Santos Paes afirmou que o evento superou as expectativas. “Achei a palestra bem interessante. O fato de ser uma pesquisa com tantas horas de gravação nos deixa curiosos, ainda mais por ser da nossa área”.

 

The Communication Revolution

Em fevereiro 2013 o presidente do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer, sentiu necessidade de reformular a empresa e seus produtos. Para isso, convidou Flavia Moraes para realizar uma investigação sobre as mudanças e o futuro da indústria da comunicação. As pesquisas começaram em março e, durante 12 meses, a equipe visitou laboratórios de inovação, agências de propaganda, empresas de tecnologia e grandes veículos, somando mais de 300 horas de gravação, em aproximadamente 150 entrevistas, com profissionais de diversas áreas do Brasil e dos Estados Unidos.

A ideia inicial era produzir um documentário, mas não havia roteiro determinado. O projeto começou a crescer e mostrar novas possibilidades, foi se ‘’autoconstruindo’’, e ,devido à grande quantidade de conteúdo, o filme tornou-se inviável, já que boa parte do material seria perdida no trabalho de edição.

A pesquisa é mobile na sua execução e divulgação. Também é beta – ou seja, segue em processo contínuo de produção, como exercício de pensamento para o futuro. Por ser totalmente colaborativa, desde o princípio, o grupo está fazendo com que seja autossustentável.

Para organizar o estudo, Flavia editou as entrevistas agrupando os temas que foram reincidentes de forma concreta em 11 premissas, que objetivam servir como referência e base de reflexão para o debate sobre o futuro da comunicação. Os vídeos estão disponíveis gratuitamente no site: www.thecommunicationrevolution.com.br

 

As premissas

Conheça as premissas identificadas pelo projeto, ao longo de sua realização:

 

#BETRUE (seja verdadeiro): posicione-se claramente e autenticamente; e, sempre que errar, admita;

#BETRUSTED (seja confiável): assuma o compromisso de filtrar, informar e surpreender. A sua audiência precisa de curadores criteriosos e confiáveis;

#BEPART (faça parte): participe, compartilhe e aproxime-se. Investigue as múltiplas oportunidades que o mundo multidimensional oferece;

#THINKPLURAL (pense plural): construa uma cultura de diálogo e de criação coletiva. Você não só pode, como deve, ter opinião;

#THINKMOBILE (pense mobilidade): aceite o inimaginável. O conceito de mobilidade é baseado no ideal de interação;

#BEBETA (seja beta): não case com as suas ideias; seja permeável, insatisfeito, incansável. O definitivo é provisório. Só o estado beta é permanente;

#THINKAHEAD (pense à frente): vá em frente, inovação é coragem, experimentação, aprendizado e risco. O lucro é a remuneração do risco;

#THINKHIGHER (pense elevado): eleve o pensamento dando às empresas significados mais profundos. Produzimos comunicação que informa e forma;

#BECOLABORATIVE (seja colaborativo): hoje o valor está no comprometimento coletivo, na colaboração e na qualidade do que você e seus aliados entregam;

#BEINTUITIVE (seja intuitivo): intuir significa ver com todos os sentidos. O mundo precisa de inteligência e sabedoria;

#BEUSEFUL (seja útil): utilidade é percepção. Ela não está no que você realiza, mas em como é percebido o que você realiza.

Fechado para comentários.