Pichação dá lugar à arte

Os artistas responsáveis pela idealização e produção do Motion Layers, usam a mesma linguagem da pichação para aprofundar a relação dos curitibanos com a arte

Por Ana Bubola e Gustavo Lavorato

 

As fachadas de diversos prédios de Curitiba, atualmente vítimas da ação de pichadores, estão recebendo um novo colorido. Através do Projeto Motion Layers, realizado pela Fundação Cultural de Curitiba (FCC), quatro edifícios no Centro sediarão o trabalho de três artistas, Claudio Celestino, Leandro Lesak e Eduardo Melo, conhecidos respectivamente como Dimas, Artstenciva e Cinico.

Os artistas responsáveis pela idealização e produção do Motion Layers, usam a mesma linguagem da pichação, para aprofundar a relação dos curitibanos com a arte. Além disso, o projeto tem como finalidade dialogar e impactar a comunidade. “Seu objetivo é abrir espaço para interação com a escala da própria cidade, proporcionar valorização estética ao transformar imagens urbanas em verdadeiras obras de arte, dando mais vida ao seu entorno”, afirma Felipe Pedroso, assessor de imprensa do projeto.

O critério de escolha dos prédios foi pela visualização e pelo público que os artistas pretendem atingir. O tema escolhido para os murais é o cinema, Dimas explica que “o cinema é a linguagem universal e mais contemporânea por isso consegue atingir um publico maior”.

 

CURTA METRAGEM

Paralelo à produção dos murais está sendo produzida uma trilogia de curta metragem, com duração de um minuto para cada filme, contando a história do projeto Motion Layers. A previsão de lançamento é em junho desse ano, após o término do trabalho dos artistas. Também serão produzidas, pelos próprios artistas, 15 telas com temas complementares à pesquisa feita para o projeto. Esses painéis serão expostos na Galeria Lúdica, localizada na Rua Inácio Lustosa, no bairro São Francisco, e depois no Shopping Mueller.

 

Box

Localização dos murais:

Edifício Inter Walter Sprengel (R. XV de Novembro, 964), ao lado do Guairinha. Assinado por Eduardo Melo/Artstenciva.

Edifício Muralha (Av. Marechal Deodoro, 711). Assinado por Leandro Lesak/Cínico.

Edifício Piovesan (R. Pres. Carlos Cavalcanti, 69). Assinado por Celestino Dimas.

Centro Cívico, Mural Coletivo.

Fechado para comentários.