PolíticaEscolas-800px-70dpi
Política é ensinada desde cedo nas escolas

“Esse projeto faz com que os jovens se aproximem mais da política,
já que o trabalho é realizado com a nossa visão
e destinado a mesma faixa etária.

Por Guilherme Liça

 

Duas escolas de Curitiba inserem a política nas salas de aula para promover a cidadania desde cedo. Alunos do Colégio Estadual João Paulo II, localizado no bairro Xaxim, fiscalizam o trabalho dos vereadores e crianças do Colégio Opet, no bairro Bom Retiro, agem como verdadeiras cidadãs.

Em busca de atrativos para envolver os jovens nas aulas a professora Sônia Silva implantou a campanha “Adote um vereador” na escola pública em que alunos do terceiro ano do ensino médio acompanham o trabalho dos 38 vereadores de Curitiba.

A análise dos adolescentes á publicada em uma página no Facebook. “Esse projeto faz com que os jovens se aproximem mais da política já que o trabalho é realizado com a nossa visão e destinado a mesma faixa etária”, afirma o Aluno Giovani de Souza, de 16 anos.

CIDADE DAS CRIANÇAS

Responsabilidades como a participação em assembleias e a escolha de candidatos políticos são vivenciadas por cerca de 390 crianças, que têm entre 2 e 10 anos, no Colégio Opet.

A mini cidade instalada na escola possui ruas sinalizadas, banco, mercado, prefeitura e até uma rádio. O ex-prefeito mirim, Daniel de Castro, 10 anos, se sente como um político de verdade. O menino se compara ao ex-prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, ao revelar que pretende ser médico e apostar na carreira política futuramente. “Aqui as crianças aprendem a ser cidadãos”, diz.

O mandato de prefeito e vereadores dura um ano. O pequeno administrador passou seu cargo a nova mini prefeita, Luana Karam, 10 anos. O evento de posse contou com a presença do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, que revelou sua admiração pelo projeto e o desejo de levar a ideia às escolas públicas. “Projetos como esses são muito importantes. Precisamos não apenas incentivar outras escolas, como as municipais, mas também formar cidadania.”

ACESSO À INFORMAÇÃO É DIFICULTADO

A aluna Beatriz dos Santos, 16 anos, diz ter mudado o interesse de seus pais pela política. “Depois que comecei a participar desse projeto, minha família também passou a se interessar”. Contudo, apesar da conquista, a aluna revela a sua decepção com alguns políticos que não respondem e-mails e não possuem formas de acesso à informação ao público.

Alguns alunos que participam do projeto do Colégio Estadual João Paulo II afirmam que os vereadores Ailtom Araújo (PSC), Sabino Picolo (DEM) e Dona Lourdes (PSB) não colaboram com a proposta, pois não respondem e-mails e não possuem sites ou páginas em redes sociais para informar sobre as suas ações na Câmara Municipal de Curitiba.

“Acho interessante, mas não é o meu foco”, diz o vereador Sabino Picolo sobre interar a população de seus projetos e ações em um site ou páginas em redes sociais, segundo ele, o seu trabalho é divulgado no Sistema de Proposições Legislativas (SPL) e no Portal da Transparência da Câmara.

Até o fechamento desta edição, os demais vereadores não se pronunciaram sobre o assunto.

Fechado para comentários.