Está em média 30 centavos mais caro o preço da gasolina em Curitiba
Foto: Julia Baggio
Preço do combustível sobe novamente

Está em média 30 centavos mais caro o preço da gasolina em Curitiba


Daniela Leal e Julia Baggio

Depois de quatro meses com valores estabilizados os preços dos combustíveis mudam novamente. Sobem aproximadamente 10% nos postos de Curitiba. O valor da gasolina passou de cerca de R$ 2.59 para até R$ 2.89. O etanol também apresentou aumento e passou, em média, de R$ 1.79 para R$1.99.

O representante comercial Carlos Gomes, percorre pelo menos 250 quilômetros de carro por semana e reclama do aumento. “O preço dos combustíveis está aumentando sem motivo nenhum. E isto afeta diretamente a cidadãos como eu, que precisam rodar muito pela cidade”, diz o representante.

Está em média 30 centavos mais caro o preço da gasolina em Curitiba Foto: Julia Baggio

Está em média 30 centavos mais caro o preço da gasolina em Curitiba
Foto: Julia Baggio

Segundo Roberto Fregonese, presidente do Sindicombustíveis, o aumento do preço foi necessário agora, pois durante o ano algumas companhias distribuidoras absorveram os aumentos sem repassar ao consumidor. “Durou praticamente 4 meses este patrocínio das grandes companhias distribuidoras, que fizeram uma guerra nos preços do combustível em Curitiba, muitas vezes sendo vendido abaixo do valor de custo. E nós víamos, que no momento que as companhias distribuidores retirassem o desconto, os preços iriam para um patamar nitidamente superior”, relata.

O presidente ainda afirma, que a alta nos preços pode ter sido influenciada pela greve dos petroleiros, com o final da safra da cama de açúcar e também com o prenúncio de alta no governo federal. “Tudo isso conspirou para que o aumento no momento tenha sido tão alarmante”.

Na opinião do economista, Daniel Andreolle, produtos ligados ao transporte também estão sujeitos ao aumento. “Toda a natureza de transportes, seja ele de carga ou de passageiros, terá um aumento de custo automático. Provavelmente o preço também será passado aos usuários desse produto. Uma vez que você aumentou o custo do transporte, você impactou no custo de todos os outros bens. Ocorrendo o aumento nos meios de transportes, fatalmente vai influir no preço de todos os outros itens”, afirma o economista.

Greve dos petroleiros

Um fator a ser considerado responsável pelo aumento do combustível nos últimos dias, pode ter sido a greve dos petroleiros. A greve que afeta a produção e o transporte de derivados do petróleo é preocupante segundo Fregonese. “A greve não causa grande impacto aos estoques atuais, pelo menos em primeiro momento. Porém, uma greve é sempre uma greve, e se persistir pode provocar transtornos aos postos”, completa o presidente.

Fechado para comentários.