Crédito: 
Nelson Jr./ASICS/TSE
Saiba como são feitas as pesquisas eleitorais de intenção de voto no País

Entenda os critérios de seleção e como é feita a coleta de dados para a realização das estimativas

Por Marcus Vinicius Vitolo de Campos

No período de eleições, muitas pessoas questionam como são feitas as pesquisas de intenção de voto. O resultado das pesquisas é de ampla divulgação, mas são poucos os eleitores que tomam conhecimento do processo de elaboração dessas pesquisas. A falta de informação contribui para que alguns mitos sejam criados ao redor do assunto, levantando questões sobre a transparência e influência dos resultados na opinião do eleitor.

A autônoma, Regina Candida Rossette, 56, acredita como alguns outros eleitores que as pesquisas eleitorais influenciam o voto.”As pesquisas eleitorais são úteis, mas acredito que algumas pessoas não procuram maiores informações e acabam sendo influenciadas e votando com base apenas nas pesquisas veiculadas pela mídia”, opina a empreendedora. voto

No entanto, o cientista político, Luiz Domingos Costas, explica que o eleitor utiliza a pesquisa eleitoral como um complemento para sua escolha, e não como a única fonte.  As pesquisas, portanto,  servem para mostrar ao eleitor a expressão dos candidatos no cenário eleitoral. Ou seja, é uma ferramenta para orientar na decisão.

 O Brasil, diferente de outros Institutos do mundo, faz a pesquisa com base na amostra por estratificação. Esse método consiste em analisar uma porcentagem de nichos da população (homens, mulheres, jovens). “O que o Brasil faz de diferente de outros institutos do mundo afora é uma questão polêmica, não está resolvida entre os estatísticos”, comenta Costas.

O método de amostragem aleatória, adotado pela maioria dos institutos ao redor do mundo, utiliza um programa que randomiza  um banco de pessoas e seleciona de forma aleatória os entrevistados. “Quanto mais aleatório, mais confiável é a pesquisa. Então, para muitos estatísticos o método aleatório é mais confiável que o método estratificado, mas é uma questão em aberto”, pontua o cientista político.

 Alguns eleitores, ainda, questionam a veracidade das pesquisas. No entanto, Costas ressalta que as pesquisas não são fraudadas, já que a credibilidade é primordial para os institutos de pesquisa. O Instituto Datafolha, criado em 1983, é um dos mais importantes no ramo da pesquisa de opinião no Brasil e esclarece as dúvidas dos eleitores sobre o processo de apuração destes estudos.

O que é amostra?

Para conhecer o que uma determinada população (universo) acha sobre algo ou como se comporta diante de alguma coisa, basta ao pesquisador observar uma parcela com as características representativas desta população. Quando realiza uma pesquisa para conhecer a intenção de voto do eleitorado brasileiro, o Datafolha ouve apenas um grupo de pessoas (amostra) cujas características (idade, sexo, escolaridade, distribuição regional etc) traduzem o conjunto dos cerca de 136 milhões de eleitores (universo).

 Qual o número mínimo de entrevistas para uma pesquisa eleitoral?

As amostras nacionais do Datafolha têm entre 2.000 e 2.500 entrevistas, mas não há tamanho mínimo ou ideal para uma amostra eleitoral. O mais importante é a sua representatividade, ou seja, como são selecionados os entrevistados.

 Como são escolhidas as cidades onde vai ser realizada a pesquisa?

Nos levantamentos nacionais ou estaduais, primeiro são sorteados os municípios que farão parte do levantamento; depois, os bairros e pontos onde serão aplicadas as entrevistas.

 Como são selecionados os entrevistados?

O Datafolha utiliza cotas proporcionais de sexo e idade de acordo com dados obtidos junto ao IBGE e Tribunal Superior Eleitoral.

 As pesquisas têm margem de erro?

As pesquisas buscam obter informações sobre um dado universo (por exemplo, o eleitorado) através da análise de uma amostra (uma parcela do universo). Os resultados obtidos com essa análise da amostra podem ser generalizados para todo o universo dentro de certos limites. Esses limites, dentro dos quais o erro é admitido, constituem a margem de erro. Essa margem existe porque a amostra é sempre menor do que o universo. As pesquisas nacionais do Datafolha, de forma geral, têm margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Isso quer dizer que cada um dos resultados (porcentagens) observados na amostra pode apresentar variações em relação à população de no máximo dois pontos percentuais.

 O Datafolha faz pesquisas sob encomenda para partidos políticos?

O Datafolha não faz pesquisas sob encomenda para políticos ou partidos. Todas as nossos levantamentos são realizados para divulgação e uso público de grandes veículos de comunicação. Quando um meio de comunicação contrata uma pesquisa eleitoral do instituto, uma de suas obrigações é tornar público o resultado desse levantamento.

 Por que os institutos no Brasil não fazem pesquisas probabilísticas puras, sem cotas, como é comum nos Estados Unidos?

O objetivo das cotas é garantir a representatividade do universo que se pretende estudar. No caso das pesquisas eleitorais, a amostra deve refletir a distribuição do eleitorado segundo dados atualizados pelo TSE. O tempo necessário para aplicar o método de forma correta no Brasil não permitiria acompanhar o caráter dinâmico do processo eleitoral. Além disso, os altos custos envolvidos nas pesquisas domiciliares com método probabilístico puro inviabilizam a técnica no país. Nos Estados Unidos, a maioria dos estudos eleitorais são feitos por telefone , com controle do histórico de comportamento do eleitorado (se o entrevistado foi votar em eleições anteriores, por exemplo). Mas mesmo as pesquisas feitas por telefone têm sido questionadas, já que uma parcela significativa dos eleitores está trocando as linhas fixas por celulares.

 Por que o número de entrevistados varia de uma pesquisa para outra? No Brasil, para uma pesquisa presidencial, qual é o número ideal de entrevistas para aferir intenção de votos para presidente?

Não há um tamanho ideal de amostra. Amostras menores têm uma precisão menor, ou seja, um maior erro amostral associado a elas. Ao definir o tamanho da amostra, deve-se levar em conta o grau de precisão desejável para analisar os resultados da pesquisa e também o detalhamento necessário para leitura dos dados. No Datafolha, utilizamos nas pesquisas eleitorais nacionais uma amostra com pelo menos 2.500 entrevistas. Isso permite uma segmentação dos resultados por região geográfica, faixas de renda, escolaridade do entrevistado e outras variáveis relevantes.

 É correto fazer pesquisas reservadas para políticos e partidos políticos e também pesquisas públicas para divulgação?

Não é incorreto, mas o Datafolha adotou como política fazer pesquisas eleitorais apenas para veículos de comunicação, estipulando em contrato a obrigatoriedade da divulgação dos resultados gerais de intenção de voto, assim como o acompanhamento de todo o processo eleitoral até a véspera da eleição.

O instituto deve divulgar os resultados completos na internet, com as bases estatísticas, quando as pesquisas são produzidas para publicação? Se sim, quando deve ser feita essa divulgação completa? Se o Instituto acha que não deve divulgar os dados completos, por quê?

Desde a difusão da internet o Datafolha publica em seu site resultados completos das pesquisas eleitorais que realiza – inclusive as bases estatísticas e segmentações detalhadas do trabalho. As informações são divulgadas no primeiro dia útil após a publicação dos resultados gerais. Eleitores, partidos e institutos concorrentes podem dessa forma ter acesso imediato aos dados para detalhamento das informações e eventuais comparações de diferenças.

 Quanto tempo depois deve ser divulgado o resultado de uma pesquisa já concluída e tabulada? É correto esperar vários dias para divulgar depois de concluída a pesquisa?

O mais rápido possível. A pesquisa é a fotografia de um momento específico dentro de um processo dinâmico. Quanto mais demorada a divulgação, maior são as chances do cenário fotografado mudar e os resultados se tornarem defasados. Por isso, no Datafolha nós temos como política divulgar os resultados das pesquisas tão logo seja finalizada a coleta de dados.

 Tira-dúvidas retirado do site do Instituto de Pesquisas Datafolha.

Fechado para comentários.