Saiba como doar medula óssea

Mais de quatro milhões de brasileiros são cadastrados como doadores

Por Bruna Kopeski, Eluiza Brunnquell e Stephanie Abdalla

O Brasil alcançou, este ano, o maior número de cadastros para doação de medula óssea, de acordo com o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome). No total, são mais de quatro milhões de registros – número que coloca o Brasil em terceiro lugar na lista mundial, atrás dos Estados Unidos e Alemanha. As chances de um paciente encontrar um doador compatível, porém,  são de uma em cada 100 mil pessoas. Por isso, o Redome reforça a importância de ampliar o número de cadastrados.

Apesar da grande quantidade de cadastros, muitos brasileiros desconhecem como funciona o procedimento de doação e, por medo de passarem por uma cirurgia, acabam não efetivando a participação. Em uma enquete realizada pela redação, esse cenário é bem visível: de 220 pessoas entrevistadas, apenas 45 delas (20,4%) são doadoras.

A estudante de medicina Amanda Camargo, 24 anos, é um exemplo disso. Ela conta que sempre teve vontade de se cadastrar como doadora, mas tinha medo que o procedimento fosse perigoso ou dolorido. “Quando comecei a faculdade pesquisei um pouco mais sobre o assunto e vi na prática a angústia de pacientes que esperam um transplante e não tive opção a não ser me cadastrar”.

Amanda acrescenta que “não tem dúvidas de que o desconhecimento é um dos empecilhos na hora do cadastro”. Segundo ela, a própria mãe não aprovou sua decisão de ser doadora, preocupada em ter que ver a filha se submetendo a uma cirurgia. “Mas eu fui explicando e acho que hoje ela está mais tranquila”.

Confira os três passos para realizar o cadastro no Redome:

  • Certificar-se que você se enquadra nos pré-requisitos de doação

Para doar medula óssea é necessário ter entre 18 e 55 anos de idade, e possuir bom estado geral de saúde; Não possuir doença infecciosa, nem apresentar doenças neoplásicas (câncer), hematológicas (do sangue) ou do sistema imunológico;

  • Procurar um hemocentro

É preciso marcar uma consulta de esclarecimento na qual dúvidas serão esclarecidas. Quem se voluntariar para ser doador, deverá assinar um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) , e preenchê-lo com dados pessoais;

  • Retirar amostra sanguínea

Será retirado do possível doador uma amostra de sangue de 10ml, sendo obrigatória a apresentação de um documento de identidade. A amostra de sangue será analisada por um exame de histocompatibilidade (HLA), um teste que prevê a compatibilidade e  características genéticas do sangue, que serão comparadas com as dos pacientes. As informações pessoais e o HLA do candidato a doador serão incluídos ao Redome.

É importante que o doador sempre mantenha os dados cadastrados no Redome atualizados, pois, em casos de compatibilidade com algum paciente, ele será consultado para decidir sobre a doação. Se o doador decidir doar para o paciente, então outros exames necessários para a confirmação de compatibilidade serão feitos.

https://infogram.com/doacao-de-medula-ossea-no-brasil-1gqnmxqzoxjr2lw

As duas formas de fazer a doação: anestesia geral x coleta por aférese

Existem dois métodos de doação de medula óssea. O mais comum, realizado em um centro cirúrgico sob anestesia geral, consiste na retirada da medula do interior dos ossos da bacia por meio de punções (pequenas perfurações na pele com agulhas). Todo o procedimento dura em torno de 90 minutos e a medula do doador se recompõe em cerca de 15 dias. Neste método é comum o doador sentir desconforto nos primeiros três dias, mas os sintomas podem ser aliviados com o uso de analgesicos, e logo apos uma semana de descanso, o doador pode retornar às suas atividades.

No outro método, chamado de coleta por aférese, o doador faz uso de medicação cinco dias antes da doação para aumentar o número de células troncos do organismo (células mais importantes para o transplante). Nessa coleta não é necessário o uso de anestesia, pois toda a doação é feita na veia, através de um kit plástico, estéril e descartável que é instalado na máquina coletora que suga o sangue necessário para a realização do procedimento. Esse método, em geral, tem duração de 30 e 130 minutos.

A escolha do método mais adequado é feita pelo médico, após analisar cada caso.

Conheça os hospitais que realizam o transplante em Curitiba

Fechado para comentários.