Quitação imediata se tornou a principal opção para os compradores
Venda à vista de imóveis aumenta em Curitiba

Mais de metade das vendas realizada neste semestre foram quitadas na compra

Por Bruna Bonzato e Maria Seabra

Os pagamentos à vista estão ganhando preferência na hora da aquisição da casa própria em Curitiba. Neste  segundo semestre do ano, 53% das vendas de imóveis residenciais usados foram quitadas no ato da compra, segundo dados do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inspepar). Até os últimos meses, com a pesquisa realizada em agosto, ainda não havia ocorrido essa inversão entre as formas de pagamento na compra de imóveis.

Esses dados são reflexo das mudanças nas condições de crédito imobiliário por parte dos bancos, de acordo com o presidente do instituto e também vice-presidente de Economia e Estatística do Sindicato de Habitação e Condomínios (Secovi-PR), Maurício Ribas Moritz.

Moritz relata que os bancos continuam a financiar, mas que os compradores têm que participar com uma fatia maior de recursos próprios. Além disso, os bancos aumentaram o rigor na análise de crédito para a concessão dos financiamentos. “Tem muito cliente que tinha ficha aprovada e agora não consegue o empréstimo”.

O economista Daniel Poit justifica essa preferência: “Se a maioria dos compradores está pagando à vista, provavelmente é para aproveitar pechinchas do mercado e descontos maiores oferecidos para esta modalidade de pagamento, principalmente no caso de imóveis de maior valor”.

Influências sobre a escolha

Poit destaca que muitos fatores influenciam na queda das compras financiadas, mas o mais provável é que seja fruto da menor oferta de crédito. Maiores taxas de juro, queda no poder aquisititvo da população e principalmente do aumento da taxa de desemprego também exercem influência.

Segundo o economista, a crise atual prejudica o mercado imobiliário em dois lados. De um, inibe investimentos em novos empreendimentos por conta da redução e da procura; por outro, dificulta o acesso à compra de imóveis daqueles que precisam adquirir um imóvel financiado. Além dos custos dos financiamentos, há a insegurança quanto ao futuro do emprego, da faixa de renda e das condições gerais do país.

Poit ainda sugere: “Imóveis usados geralmente são mais fáceis de negociar: estão prontos e normalmente são desocupados de imediato. Além disso são relativamente mais baratos que os novos e estão em locais mais valorizados e ou privilegiados.”

A gerente administrativa da Gonzaga Imóveis, Cleusa Santos, acredita que a maior parte das pessoas opta pelo pagamento à vista por conta da dificuldade em conseguir um financiamento e da alta taxa de juros.

Fechado para comentários.