Vinho também é turismo

Caminho do Vinho é opção de turismo na região metropolitana de Curitiba

Daniela Leal

Localizado na Colônia Mergulhão, zona rural de São José dos Pinhais, o Caminho do Vinho é um ótimo passeio para o final de semana, principalmente para as pessoas que não dispensam um bom vinho. Seu trajeto inclui vinícolas, adegas, chácaras, pesque-e-pague, restaurantes e cafés coloniais.

O Caminho surgiu da necessidade de organizar os empreendimentos envolvidos no local, e busca preservar a identidade rural da região, trazida principalmente pela etnia italiana. Atualmente o Caminho do Vinho possui 30 propriedades rurais envolvidas nas mais diversas atividades, mas tem o vinho como o principal dos seus atrativos.

A guia e presidente da Associação do Caminho do Caminho do Vinho, Rosana Juliatto, acompanha os visitantes e conta como os imigrantes italianos e poloneses iniciaram sua história, apresentando o processo produtivo do vinho e influencias culturais. “Fazemos cerca de cinco paradas num percurso de 8 km, as refeições têm uma hora de parada, e depois seguimos um rodízio entre as vinícolas e gastronomias que pertencem ao roteiro”, diz Rosana.

A professora Fernanda Vieira fez o passeio com a sua família e garante valer a pena passar um final de semana com mais tranquilidade na Colônia Mergulhão, que fica a apenas 50 minutos do centro de Curitiba. “O local é ótimo para quem quer fugir dos agitos da cidade grande e passar um dia com a família em meio à natureza”, relata.

O Caminho do Vinho foi uma das rotas eleitas no Paraná para a copa de 2014. Além dos agricultores e dos comerciantes, as famílias também se preparam para receber um número maior de visitantes. É o que conta Marina Pissaia, presidente do grupo folclórico da região: “Estamos aumentando as cantinas, potencializando as adegas e a capacidade de produção. Mas sem perder o rural, colonial e o tradicional das propriedades daqui. Estão todos na expectativa da copa”.

[vsw id=”5yN-kjtQ5t4″ source=”youtube” width=”425″ height=”344″ autoplay=”0″]

José Roberto Perbiche, fundador do museu Foto: Julia Baggio

José Roberto Perbiche, fundador do museu
Foto: Julia Baggio


Museu Colonial

Mais uma surpresa para os visitantes que frequentam o local, é o museu colonial, único da região, que mostra objetos e ferramentas de trabalho da época da chegada dos primeiros imigrantes italianos à localidade. O fundador do museu, José Roberto Perbiche, conta que uma das peças mais antigas da coleção é uma estrutura de madeira utilizada pelos colonos para esmagar uvas com os pés. “Essa peça tem pelo menos 120 anos, era com ela que os italianos fabricavam seus vinhos quando chegaram ao Brasil”.

Crédito: Associação Caminho do Vinho

Crédito: Associação Caminho do Vinho


Como chegar

Para conhecer o passeio, os visitantes podem ir pela rodovia BR-376 ou têm a opção  da Linha Turismo da região, que sai do Shopping São José, na Rua Izabel A Redentora, no Centro da cidade. O passeio guiado, dura cerca de cinco horas e custa R$ 10 por pessoa.

 seta-vermelha

 

Fechado para comentários.