A vida pode ser doce sem açúcar

Dia 14 de novembro é o Dia Mundial do Diabetes, e em Curitiba, a doença que atinge 371 milhões de pessoas no mundo, foi combatida com uma caminhada no Parque Barigui 

Manuella Niclewicz

Caminhada de Controle ao Diabetes reúne centenas de pessoas no Parque Barigui Foto: Manuella Niclewicz

Caminhada de Controle ao Diabetes reúne centenas de pessoas no Parque Barigui
Foto: Manuella Niclewicz

No último domingo, dia 10 de novembro, a Caminhada de Controle ao Diabetes reuniu centenas de pessoas no Parque Barigui, para realizar um percurso de 5 km em prol ao combate desta doença, em Curitiba. Os participantes receberam informações sobre o diabetes, ganharam brindes e puderam fazer exames clínicos no próprio local.

O evento foi uma realização do Centro Diabetes de Curitiba (CDC), um dos maiores centros de pesquisa, educação e atendimento em diabetes do Brasil, em parceria com a Sociedade Brasileira de Diabetes.

Exames preventivos foram realizados na Caminhada de Controle ao Diabetes em Curitiba Foto: Manuella Niclewicz

Exames preventivos foram realizados na Caminhada de Controle ao Diabetes em Curitiba
Foto: Manuella Niclewicz

Segundo o endocrinologista Edgard Niclewicz, eventos como este são muito importantes para alertar e conscientizar  a população sobre a importância da prevenção do diabetes. “O diabetes é uma doença extremamente complexa, que pode atingir vários órgãos do corpo como olhos, rins, coração, cérebro e a circulação sanguínea em geral.”

A jovem estudante de 21 anos, Alice Paes, tem o diabetes do tipo I desde que nasceu. Ela conta que hoje já se acostumou com a rotina de tomar insulina diariamente, mas durante a infância não foi nada fácil. “O pior de tudo, quando eu era menor, era ir em festas de aniversários e não poder comer bolo e docinhos como as minhas amigas. Eu não entendia porque a minha mãe não deixava!”

O Doutor Edgard, é também um dos idealizadores do Centro Diabetes de Curitiba, e explica que a ideia de criar o centro surgiu quando perceberam que o diabetes, devido a sua complexidade, merece um tratamento multidisciplinar que envolva médicos de diferentes especialidades, nutricionistas , enfermeiras, podiatras e educadoras. “Quando o paciente diabético é bem controlado, com modificações no estilo de vida, boa alimentação e prática de exercícios, as complicações dificilmente ocorrem”.

O Brasil ocupa a 4ª posição entre os países com maior prevalência de diabetes, são 13,4 milhões de pessoas portadoras da doença. Esse número corresponde a 6,5%  da população entre 20 e 79 anos e a quantidade de pessoas portadoras da doença é crescente, não apenas no Brasil, mas em todos os países. E o mais preocupante, é que quase metade dessas pessoas desconhecem que estão doentes.

O endocrinologista explica que infelizmente o diabetes é uma doença da modernidade. Antigamente, como as pessoas se alimentavam do estritamente necessário para sua sobrevivência, não cometiam exageros, e além disto, praticavam mais atividade física. Hoje a grande maioria da população está se alimentando de maneira  errada em função dos alimentos industrializados e dos fast foods. ”  Com o advento da TV , da informática, as pessoas estão cada vez mais sedentárias e com isto houve um aumento do excesso de peso da população, e este é um dos maiores fatores de risco para se tornar diabético. Atualmente, podemos considerar que estamos tendo uma epidemia de diabetes no mundo! ”explica Edgard.

O CDC foi criado em 1999, baseado no modelo do International Diabetes Center de Minneapolis, nos Estados Unidos, e foi pioneiro em adotar esta forma multidisciplinar de tratamento no Brasil. Localizado dentro do Hospital Nossa Senhora das Graças, conta com uma equipe de médicos especializados treinados em Minneapolis, além de realizar pesquisas clínicas e estudos científicos em níveis nacional e internacional.

Símbolo da Campanha de Combate ao Diabetes 2013

Símbolo da Campanha de Combate ao Diabetes 2013

A cada ano que passa, o Dia Mundial do Diabetes, é centrado em um tema relacionado ao combate desta doença. Este ano, em nosso país, a Sociedade Brasileira de Diabetes adotou o tema: “Diabetes: proteja nosso futuro” , tendo como objetivo a educação sobre o diabetes desde cedo e o aumento dos programas de prevenção.

Entendendo o diabetes
O diabetes é uma alteração no metabolismo da glicose, causada pela deficiência na produção ou ação da insulina – hormônio produzido pelo pâncreas e responsável por transformar as moléculas de glicose em energia. “O corpo não consegue administrar a glicose de forma adequada, causando aumento dos seus níveis no sangue. A partir daí começam os problemas de saúde.

Tipo I : Quando o pâncreas não produz insulina, dizemos que a pessoa tem Diabetes Tipo I. As pessoa com esse tipo de diabetes tem de usar insulina. “Esses indivíduos têm inflamação no pâncreas, daí a deficiência quase absoluta de insulina”, explica o médico.

Tipo II : Atinge, em geral, pessoas com mais de 40 anos. A maior parte das pessoas com esse tipo de diabetes tem outros fatores relacionados à doença, como obesidade, sedentarismo e histórico do problema na família. “Nesse caso, é possível tratar com medicação, dieta alimentar e atividade física. E com o passar do tempo, especialmente nos menos aderentes ao tratamento, o uso de insulina pode ser necessário”.

Gestacional : Desenvolvida durante a gravidez. Geralmente desaparece depois do nascimento do bebê. Há dois fatores de risco importantes nesse caso: o aumento descontrolado de peso durante a gravidez e quando a futura mamãe tem mais de 35 anos.

Dia Mundial do Diabetes
No dia 14 de novembro de 1922, dois cientistas da universidade canadense descobriram uma substância produzida pelo pâncreas com poder de baixar a glicose. Posteriormente esta substância foi chamada de insulina e hoje sabe-se que é o hormônio que faz controle do metabolismo da glicose para que a mesma seja transportada para o interior de todas as células com objetivo de produção de energia e funcionamento das células. Desde então, em homenagem a eles, este dia ficou conhecido como o Dia Mundial do Diabetes.

 

Equipe: Gabriela Fialho, Lara Pessoa e Manuella Niclewicz

Fechado para comentários.